Manet, o pintor da vida moderna

Added on by Gabriela Loyola.

A “Aburguesamento” de Paris iniciado na Revolução de 1789 culminou com a renovação da cidade feita pelo Barão Haussmann nos anos 1860. A cidade até então politicamente motivada passa a ser economicamente e socialmente centrada. Deixava de ser a grande cidade medieval para se transformar numa metrópole moderna.

O Barão Georges Eugene Haussmann (1809-1892) foi nomeado prefeito de Paris por Napoleão III em 22 de junho de 1853 para "modernizar" a cidade. Napoleão III esperava melhor controlar o fluxo de tráfego, incentivar o crescimento econômico e tornar a cidade "à prova de revoluções", dificultando a construção de barricadas. Haussmann realizou tudo isso substituindo muitos prédios antigos e ruas por avenidas amplas e arborizadas e jardins, a Paris famosa de hoje. Estima-se que ele tenha transformado 60% dos edifícios de Paris. Redesenhou a Place de l'Etoile e criou longas avenidas que dão perspectivas sobre monumentos como o Arco do Triunfo e da Ópera Garnier.

 Paris moderna

Paris moderna

Apesar das críticas com relação à destruição da Paris social e de suas raízes pela destruição contínua  física, a burguesia ascendente desfrutava de novas tecnologias e ostentava sua riqueza nos novos espaços que foram criados.

Manet era filho dessa burguesia parisiense. Sua mãe era mulher de cultura refinada e o pai um jurista e magistrado que sonhava em ver o filho seguir seus passos.

 Fotografia Nadar, 1874

Fotografia Nadar, 1874

O menino nasceu em 29 de janeiro de 1832. Teve boa instrução e desde muito garoto gostava de desenhar e se interessava pelas artes. Depois de servir na Marinha Mercante, Manet regressou a Paris disposto a perseguir seu sonho.

Estudou com Thomas Couture, aprendeu muito com os clássicos e com os grandes mestres como Velázquez e Goya. No entanto, queria ser o pintor do seu tempo e não do passado. Dizem que ele seguiu um conselho de Charles Baudelaire: que se dedicasse a ser “le peintre de la vie moderne”.

 Railway, 1872

Railway, 1872

Para alegria de Manet e da jovem intelligentsia parisiense, sempre foi apaixonada pelo novo. Estudou os clássicos sem abrir mão de pintar a seu modo retratos, a confusão urbana e temas que nunca foram dignos de serem pintados a não ser os religiosos, mitológicos ou da nobreza. A multidão é seu universo, sua paixão é a observação fora de casa sentindo-se em casa ao mesmo tempo.

 Berthe Morisot, 1872

Berthe Morisot, 1872

 Bar no Folies-Bergère, 1882

Bar no Folies-Bergère, 1882

 Boating, 1874

Boating, 1874

 

Para pintar "Concerto nos Jardins das Tulherias," às vezes chamado de "Música nas Tulherias," Manet colocou seu cavalete ao ar livre e ficou por horas enquanto compunha uma multidão elegante de moradores da cidade. Quando ele mostrou a pintura, alguns pensaram que estava inacabado. Talvez sua pintura mais famosa é "O Almoço na Relva", que ele completou e exibiu em 1863. A cena de dois jovens vestidos e sentados ao lado de uma mulher nua chocaram vários dos membros do júri ao fazerem seleções para o Salão de Paris, o exposição oficial organizada pela Académie des Beaux-Arts. Devido à sua indecência percebida, eles se recusaram a mostrá-lo. Manet não estava sozinho, mais de 4.000 pinturas foram impedidas de entrar naquele ano. Em resposta, Napoleão III montou o Salão dos Recusados para expor algumas dessas obras rejeitadas, incluindo a apresentação de Manet.

 Musica nas Tulherias, 1862

Musica nas Tulherias, 1862

 Almoço na relva, 1863

Almoço na relva, 1863

 Tentando mais uma vez para ganhar aceitação para o salão, Manet submeteu "Olympia" em 1865. Este retrato impressionante, inspirado por Ticiano em "Vênus de Urbino", mostra uma beleza nua em descanso que descaradamente olha para seus telespectadores. Os membros do júri so salão não ficaram impressionados, o consideraram escandaloso, como o fez o público em geral. Contemporâneos de Manet, por outro lado, começaram a considerá-lo um herói, alguém disposto a quebrar os padrões, liderando a transição do realismo ao impressionismo. Depois de 42 anos, "Olympia" seria instalado no Louvre.

 Olympia, 1965

Olympia, 1965

 TICIANO, Vênus de Urbino

TICIANO, Vênus de Urbino

Após tentativa frustrada de Manet, em 1865, ele viajou para a Espanha, quando pintou "O cantor espanhol." Em 1866, conheceu e fez amizade com o escritor Emile Zola, que em 1867 escreveu um artigo brilhante sobre Manet no jornal francês Figaro. Ele o apontou, a exemplo de quase todos os artistas significativos, de começar por oferecer sensibilidade. Esta avaliação impressionou o crítico de arte Louis-Edmond Duranty, que começou a apoiá-lo também. Pintores como Cezanne, Gauguin, Degas e Monet se tornaram seus amigos.

 Manet pintou muitas suas cenas de café. Estas obras, incluindo "No café", "Os bebedores de cerveja" e "O Concert Café", entre outros, retratam século 19 em Paris. Ao contrário de pintores convencionais de sua época, ele se esforçou para iluminar os rituais de ambos, os franceses comuns e burguesia. Seus súditos estão lendo, esperando os amigos, beber e trabalhar. Em contraste com suas cenas de cafés, Manet pintou também as tragédias e os triunfos de guerra. Em 1870, ele atuou como um soldado durante a guerra franco-alemã e observou a destruição de Paris.

 Café Concerto, 1872   

Café Concerto, 1872

 

Em 1874, Manet foi convidado para mostrar suas obras na primeira exibição de artistas impressionistas. Apesar de solidário ao movimento, ele recusou, assim como outros sete convites. Queria ficar compromissado com o Salão. Um ano depois da primeira exposição impressionista, foi oferecida a oportunidade de desenhar ilustrações para o livro de comprimento edição francesa de Edgar Allan Poe de "The Raven". Em 1881, o governo francês concedeu-lhe a Légion d'honneur.

 Execução do Imperador Maximiliano, 1867

Execução do Imperador Maximiliano, 1867

 Ele morreu dois anos mais tarde, em Paris, em 30 de abril de 1883. Além de 420 pinturas, ele deixou para trás uma reputação que mudaria para sempre defini-lo como um artista ousado e influente.

 Flores em vaso de cristal, 1882

Flores em vaso de cristal, 1882